Relatório da Sala de Situação 2019
Publicado: 10 de março de 2019 - Hora: 07:08

Relatório da Sala de Situação 2019

Para a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil do Pará, as fortes chuvas no Estado causam todos os anos transtornos, danos e prejuízos financeiros, materiais e humanos ao poder público municipal e as populações amazônicas. Com o início do período de chuvas, decorrente do “inverno amazônico” entre os meses de dezembro a maio, resultam alagamentos, inundações e enxurradas que são capazes danificar e destruir infraestruturas na zona urbana e na zona rural, interrompendo diversos serviços essenciais como educação, saúde, transporte, dentre outros.

Neste cenário, a primeira resposta ao desastre é do poder público municipal e quando esta resposta supera sua capacidade de gestão decreta-se Situação de Emergência (SE) ou de Calamidade Pública (CP). Assim, quando o ocorre desastres nos municípios, desde que exista danos humanos consideráveis pode solicitar recursos estaduais e federais para ajudar nas ações de resposta e posteriormente na resposta e reconstrução.

A Coordenadoria de Proteção Defesa Civil – CEDEC com o objetivo subsidiar o Coordenador Adjunto de Proteção e Defesa Civil e os Técnicos de Defesa Civil da CEDEC com dados e informações resumidas constantes nos boletins de climatológicas, hidrológicas, queimadas, dentre outros disponibilizada a CEDEC por órgãos ambientais e de monitoramento, trabalhará em três fases distintas, mas complementares, sendo a primeira uma compilação dos dados e informações sobre eventos adversos no Estado do Pará, constantes nos boletins de climatológicas, hidrológicas, queimadas, dentre outros disponibilizada a CEDEC por órgãos ambientais e de monitoramento.

Ainda nesta fase, serão organizadas informações sobre eventos e trabalhos da Defesa Civil Estadual da Divisão de Financeiro e Administrativo (DFA), Divisão de Apoio Comunitário (DAC) e Divisão de Operações (DivOp), bem como dados e informações da plataforma do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID) do Ministério da Integração Nacional (MI). A DAF, DAC e DivOp deverão enviar semanalmente ou sempre que houver modificações e/ou eventos em suas divisões, sendo este importante para o Técnico de Dia a CEDEC.

Na segunda etapa, serão realizadas reuniões com os Técnico de Defesa Civil da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC), mais especificamente com Técnicos da Divisão de Apoio a Comunidade (DAC) e Divisão de Operações (DivOp) da CEDEC do Estado do Pará, a fim de discutir sobre as ameaças por mesorregião no Pará.

Por fim, subsidiar com dados e informações o Boletim Proteção e Defesa Civil (BolPDEC) e gerar informações resumida e prognóstica de Proteção e Defesa Civil para os Técnicos de Defesa Civil, bem como COMPDEC’s, a fim de subsidiar a ações de previsão, prevenção, organização, planejamento e ações da CEDEC.

A CEDEC, até o presente relatório, tem monitorado 12 municípios que estão sendo afetados por eventos do Grupo Hidrológicos (Inundações, Enxurradas e Enchentes), contudo em todos estão como uma precipitação acumulada entre 12 a 30mm. No comércio, os alagamentos e inundações, causam a perca de estoque e mercadorias.

Os municípios que estão em Alerta e estão sendo monitorados pela Sala de Situação da CEDEC, sendo 4 eventos de Inundações são os seguintes: Bannach, Cumaru do Norte, Eldorado do Carajás e São Félix do Xingu.

Na cidade de Belém – (Mosqueiro), Marapanim (Marudá) e Vigia,os eventos monitorados na Sala de Situação de Erosão Costeira Marinha. Na cidade de Prainha teve ocorrência de surto de sarampo, mas já controlado pela Secretaria de Saúde Municipal. Entre os municípios de Trairão e Novo Progresso tem-se evento de atoleiros ao longo da BR 163.
Outros municípios monitorados são Cumaru do Norte, Eldorado do Carajás, Marapanim, Novo Progresso, Pacajá, Parauapebas, São Félix do Xingu e Tucumã.

1. Bannach : As fortes chuvas na região provocaram o transbordamento que danificaram as cabeceiras de pontes na região, contudo o município tem conseguido realizar as operações de reestabelecimento da normalidade até a presente data.

2. Belém (Mosqueiro): A equipe de técnicos da CEPDEC realizou visita no distrito de Mosqueiro /Belém, em especial nas praias da Ariramba, Marahu e Paraíso a fim de verificar as condições de segurança e levantar os riscos no local de erosão. Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil vem realizando o monitoramento das áreas mais críticas.

3. Cumaru do Norte: As fortes chuvas na região provocaram o transbordamento do Rio Trairão afetando a trafegabilidade em estradas e vicinais na área rural, impossibilitando o transporte de mercadorias, combustíveis, remédios, alimentação, bem como o deslocamento de ambulâncias e transporte escolar. A COMPDEC tem realizado através da Prefeitura o restabelecimento de vicinais, mas algumas pontes estão danificadas.

4. Eldorado do Carajás:  A Defesa civil do 23º GBM está monitorando das precipitações na região e auxiliando a COMPDEC no preenchimento do Formulário de Informações do Desastre (FIDE) que declara que na região há submersão de áreas fora dos limites normais de um curso de água em zonas que normalmente não se encontram submersas. O transbordamento vem ocorrendo de modo gradual, geralmente ocasionado por chuvas prolongadas em áreas de planície provocando o rompimento de bueiros e bloqueio parcial de vicinais com isolamento de 07 comunidades. De acordo com FIDE contabilizou-se 115 estão desalojadas em decorrência dos efeitos diretos da inundação. Os valores das perdas nos setores da agricultura, pecuária, indústria, comércio e serviços ocorridos em decorrência direta dos efeitos do desastre somam R$ 135.000,00 na agricultura e R$ 150.000,00 na pecuária.

5. Marapanim: O município de Marapanim está em Alerta (A) desde o dia 19/02/2019 em decorrência de evento do tipo Geológico classificado como – Erosão Costeira/Marinha (COBRADE – 11410). Segundo o COMPDEC, Heloísa Bentes, está sendo realizado obras de isolamentos, com fechamento de buracos no calçamento com pedras, piçarra e areia, e que seria colocado placas de sinalização e informativos para orientação aos frequentadores da praia

6. Novo Progresso: As fortes chuvas na região sudeste do Pará, em especial os trechos que seguem o município de trairão tem afetado a trafegabilidade ao longo da BR 163, impossibilitando o transporte de mercadorias, combustíveis, remédios, alimentação, bem como o deslocamento de ambulâncias e transporte escolar. O DNIT e Exército Brasileiro que estão trabalhando na região, como o objetivo é garantir fluidez, segurança, apoio e orientação aos usuários dessa Rodovia, no trecho de 65 km de extensão, em que está sendo realizada a obra. Também, estão sendo executadas atividade de distribuição de água e transporte de pessoas que se encontram em pontos de engarrafamento e desejam ir para locais de apoio.

7. Pacajá: No município de Pacajá a situação de alerta é em razão de colapso em estrutura do tipo pontes de madeira com extensão de 100m com largura de 5m tendo pilares que distam 25m e uma ponte de concreto com 168m de extensão e largura de 14,30m, precisando somente do encabeçamento e asfalto para terminar a obra.Contudo, ficou acordado que caso venha a subir o nível do rio concomitante às chuvas, que seria feito contato entre Defesa civil do 8º GBM, Policia Rodoviária Federal e ARTELESTE Construções para interditar o tráfego por sobre a ponte, se houver elevação do nível do rio Aratau.

8. Parauapebas: A Defesa civil do 23º GBM está monitorando das precipitações na região e auxiliando a COMPDEC no preenchimento do Formulário de Informações do Desastre (FIDE). Segundo a COMPDEC 30 famílias forma afetadas diretamente pela inundação e uma dúzia estão sendo remanejadas para abrigos. As áreas mais atingidas são os União, Primavera, e liberdade I e II, Vila Nova, Guanabara, Casa populares e AMEC Ville.

9. São Félix do Xingu: As fortes chuvas na região sudeste do Pará têm afetado a trafegabilidade em estradas e vicinais na área rural, impossibilitando o transporte de mercadorias, combustíveis, remédios, alimentação, bem como o deslocamento de ambulâncias e transporte escolar. O transbordamento dos rios da região tem ocasionado o rompimento de bueiros e bloqueio parcial de vicinais.

10. Trairão / Novo Progresso – BR 163: As fortes chuvas na região sudeste do Pará, em especial os trechos que seguem o município de trairão tem afetado a trafegabilidade ao longo da BR 163, impossibilitando o transporte de mercadorias, combustíveis, remédios, alimentação, bem como o deslocamento de ambulâncias e transporte escolar. O DNIT e Exército Brasileiro que estão trabalhando na região, como o objetivo é garantir fluidez, segurança, apoio e orientação aos usuários dessa Rodovia, no trecho de 65 km de extensão, em que está sendo realizada a obra. Também, estão sendo executadas atividade de distribuição de água e transporte de pessoas que se encontram em pontos de engarrafamento e desejam ir para locais de apoio.

11. Tucumã: O município de Tucumã desde o dia 02 tem sido atingido por chuvas intensas (121 mm) e ventos fortes, afetando 37 famílias das áreas próximas ao córrego Tapajós que corta boa parte do perímetro urbano, conforme Foto abaixo. Secretaria de Desenvolvimento Social está atendendo os moradores com água potável, e comida, além de cadastrar possíveis candidatos a moradia entrando no programa social da casa própria. A CEDEC através do major Galúcio disponibilizou efetivo e viatura para auxiliar o Subtenente J. Silva e o Sargento Beniltom para realização dos levantamentos e salvamento.

12. Vigia: A Defesa Civil foi acionada para avaliar situação de emergência decorrente de Erosão Costeira/Marinha (COBRADE – 11410) através do Comandante de Socorro no 17° GBM/Vigia. A área atingida foi a orla da cidade, com desmoronamento parcial (Espaço Cultural de Vigia de Nazaré), onde ocorreria a concentração dos blocos de Carnaval e dispersão dos trios elétricos. Após solicitação de interdição pela CEDEC foi construído um tapume numa área de 50m de extensão, com distância de 18m da margem do rio. O Corpo de Bombeiros e de Técnicos-peritos do Instituto Renato Chaves recomendaram o remanejamento das barracas, camarotes e palco da área de risco.

Contudo este relatório deve orientar as coordenadorias estadual e municipal de proteção e defesa civil na definição de estratégias para resposta e redução dos riscos nestes municípios, através do monitoramento diário da área de risco, levantamento de danos e prejuízo, monitoramento do nível dos rios e orientações a população para não trafegar por área atingidas.

ASCOM CBMPA

Fonte: CEDEC