Alunos do Curso de Formação de Praças visitam o SAMU
Publicado: 12 de julho de 2017 - Hora: 11:28

Alunos do Curso de Formação de Praças visitam o SAMU

Na tarde de ontem, 10, os alunos do Curso de Formação de Praças – CFP do Corpo de Bombeiros Militar do Pará realizaram visita técnica na Central de Regulamentação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

O objetivo da visita foi proporcionar aos 35 alunos do CFP a experiência de outro serviço móvel de urgência no Estado e apresentar os serviços do SAMU, além da interação e aprendizado e o conhecimento do seu campo de atuação. 

O 1° Tenente José Neto explica a importância dos alunos estarem vivenciando o trabalho do SAMU. “É importante vislumbrar o momento em que eles ainda estão na academia de formação para que eles possam ter a ideia de como é o trabalho com o SAMU, cada um com suas peculiaridades  e particularidades e ambos se ajudando mutualmente. A intenção é de interagir e integrar onde o bombeiro está inserido, além de plantar uma semente do conhecimento para que posteriormente possamos colher, e mostrar que trabalhamos juntos para o bem da sociedade”, afirmou.

“Tendo essa contato com uma entidade diferente da nossa mas que mantém um trabalho que também é de salvar vidas, nós temos o contato operacional que nos ajuda a aperfeiçoar, aprender e ensinar uns aos outros e isso sem dúvidas está ajudando em nossa formação técnica e profissional, que contribui para nossa qualificação de bombeiro para bem servir nosso Estado”, disse o aluno do Curso de Formação de Praça, João Rodrigues.

Os bombeiros realizam o atendimento na parte do salvamento e resgate, pois tem equipamentos e treinamentoscomo: desmoronamento, salvamento em altura e aquático, desencarceramento de paciente preso em ferragem, etc… Após isso, a equipe do SAMU continua com os procedimentos médicos. O CBMPA e SAMU trabalham juntos com um objetivo: salvar vidas e atender a população. 

O SAMU e o CBMPA recebem altos índices de trotes. Os maiores casos de trotes são feitos por crianças nos horários do intervalo saída da escola, geralmente eles utilizam para solicitar ambulância. O que é muito prejudicial para oserviço.

A Médica Reguladora do SAMU, Gianna Lima orienta: “No primeiro momento em que alguém liga para 192 solicitando uma ocorrência de um acidente, de um paciente malsúbito é importante que indivíduo esteja em condições de falar o endereço de forma detalhada (o nome da rua, perímetro, sentido, se há um ponto de referência, se for de difícil acesso, se possível ficar em frente à passagem, para que possa facilitar o acesso), informar o que houve com o paciente de forma rápida e simples, pois isso otimiza o nosso tempo-reposta para liberar uma ambulância o mais rápido possível”, finalizou. 

Por Carlos Yury

Compartilhar: