Com êxito, Corpo de Bombeiros encerra Operação “Tiradentes II”

 

Considerada a maior ação de segurança pública já realizada no país, a Operação “Tiradentes II”, deflagrada na última sexta-feira, (11), encerrou-se na tarde de sábado, (12). Durante os dois dias, em uma ação realizada de forma conjunta com as forças militares estaduais do território nacional e coordenadas pelo CNCG – Conselho Nacional de Comandantes-gerais das Polícias e Corpos de Bombeiros Militares do Brasil, a operação buscou implementar ações de segurança e proteção da incolumidade pública, que consiste na fiscalização de locais com grande rotatividade e fluxo de pessoas, tais como boates, bares, condomínios, escolas e estabelecimentos prestadores de serviço.

No Pará, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado trabalhou de forma ininterrupta na operação, além de Belém e Região Metropolitana, em outros 24 municípios a operação também foi executada, entre eles estão os municípios de: Santarém, Itaituba, Marabá, Tucuruí, Parauapebas, Redenção, Barcarena Castanhal, Vigia, Salinópolis, Salvaterra, Moju, Cametá e Altamira.

A ação, em todo o Estado, ocorreu com efetivos em 03 turnos: 1º turno: 8h às 18h (11/05), 2º turno: 18h00 às 06h00 (11/05-12/05), 3º turno: 06h00 às 16h00 (12/05). Assim, somente no primeiro dia e turno da operação, foram realizadas 443 vistorias contando com o efetivo de 322 militares contabilizando os seguintes dados: 49 Ações Educativas realizadas, 29 Atendimentos Pré-Hospitalares (APH), 16 ocorrências em Salvamento, 06 ocorrências de Incêndio, além de 12 Embarcações e 06 Aeronaves disponíveis para transporte de pacientes em localidades de difícil acesso.

No sábado, segundo dia de operação, o 21º Grupamento Bombeiro Militar – Belém ficou responsável pelos bairros da Cidade Velha e Campina, já o 26º Grupamento Bombeiro Militar – Icoaraci, atuou na Vila Aparecida e Orla de Icoaraci.

A região metropolitana de Belém, também contou com o efetivo do Centro de Atividades Técnicas – CAT, mais de 36 militares da unidade trabalharam na operação, sendo 30 vistoriadores e 06 militares executando as análises de projetos. Pelo CAT, a operação foi executada nos seguintes bairros: Marco, Cremação, Marambaia, Umarizal, Terra Firme, Fátima, Nazaré, Jurunas e Pedreira. A unidade é responsável em conjunto com as Seções de Atividades Técnicas (SAT), por executar o trabalho importantíssimo de vistorias técnicas nas áreas comerciais, análises de projetos, serviços de interdição, projetos de manutenção em empreendimentos, além de vistorias em arquibancadas e residências multifamiliares.

Segundo o Capitão QOBM Sales, Chefe da Seção de Análise do CAT, a prioridade nessa operação são estabelecimentos do grupo ACPS – Auto de Conformidade de Projeto Simplificado –  como farmácias, mercados, igreja e estabelecimentos/ambientes que possuem grande alcance e rotatividade de pessoas. O capitão comenta sobre a importância da operação para a sociedade. “O benefício à população é justamente a segurança e garantia de que seu estabelecimento estará protegido assim como as pessoas que frequentam o espaço também estarão seguras por conta da vistoria. O local não terá obstruções nas rotatórias de fuga, não terá um extintor que não funcione, e não só por conta da vistoria em si, mas também pela educação e conscientização que a operação oferece”, ressaltou.

Registro de Ocorrências durante a Operação

Atuando junto ao Centro Integrado de Operações – CIOP, órgão que gerencia todas as ocorrências da região metropolitana de Belém, na Operação “Tiradentes II”, a cada 12 horas um oficial do Corpo de Bombeiros Militar assumia a coordenação a fim de monitorar e coordenar todas as viaturas, catalogando as ocorrências operacionais em Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará, Distrito de Mosqueiro e Santa Izabel.

Dessa forma, a coordenação de monitoramento dessas ocorrências e o Comando Operacional – COP trabalharam conjuntamente para a contabilização dos dados oficiais das ações desenvolvidas pelo Corpo de Bombeiros durante a operação.

De acordo com o Major QOBM Arteaga, Subcomandante do 1º Grupamento Militar e, responsável na operação, pelo setor de contabilização de dados estatísticos gerais, o trabalho de estatística visou justamente contabilizar e fazer os devidos registros das ações do Corpo de Bombeiros Militar durante a operação, onde a corporação buscou desempenhar as ações em três turnos.

Após o encerramento de cada um desses turnos, as unidades do CBMPA em todo o Estado repassavam as informações para o COP. Ainda segundo o Major Arteaga, a Operação “Tiradentes II” não teve o cunho de contabilizar unicamente as ocorrências operacionais mas também outros serviços desenvolvidos pelo Corpo de Bombeiros. “Vistorias técnicas, que tem como objetivo a verificação das condições de segurança contra incêndio e pânico nos estabelecimentos comerciais, locais de reunião de público em geral e serviços de perícias de incêndio, bem como serviços de ações educativas, como palestras em escolas e comunidades, também foram prestados e estão sendo contabilizados”, pontua o Major.

Além das questões de serviços operacionais e vistorias, a operação também buscou contabilizar os números do Corpo de Bombeiros no tocante à efetivo e viaturas voltados para executar as ações.

Dados Oficiais das Ações Desenvolvidas pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado durante a Operação

Ao final da Operação “Tiradentes II” os dados gerais oficiais são: 795 militares atuaram na operação, 843 vistorias foram realizadas, 244 viaturas disponíveis na operação, 97 Ações Educativas ocorridas, 57 Atendimentos Pré-Hospitalares, 37 ocorrências em Salvamento, 09 ocorrências de Incêndio e também contou com o apoio de 27 Embarcações e 06 Aeronaves que estiveram disponíveis para o transporte de pacientes em todo o Estado durante os dois dias de operação.

Texto: Ascom CBMPA

Fotos: Cabo Leal